Jaquetas a prova de bala

Com o aumento da criminalidade esse mercado viu nesse ambiente a chance de estender sua gama de produtos nessa linha, com isso surgem as Jaquetas balísticas desenvolvidas exclusivamente para uso sobre motos e motocicletas. 

É difícil de se imaginar usando uma jaqueta para motociclismo com proteção capaz de segurar balas de 9mm, certo? Porém, uma empresa brasileira tem comercializado, já há algum tempo, jaquetas à prova de balas que garantem proteção para motociclistas e que não pesam tanto. Você usaria?

A  empresa fabricante se chama Tamtex e possui quatro modelos de jaquetas à prova de balas disponíveis, que são (Black, GPS, Next e Velox) tem sua peculiaridade no quesito estilo e algumas outras proteções e detalhes. Todas possuem proteção balística dorsal e frontal, cordura 500, com tratamento hidrorrepelente, proteção em Kevlar no pescoço contra linhas de cerol (não balístico) e proteções nos ombros e cotovelos (interno / externo) além de algumas variações nos opcionais, dependendo do modelo.

As jaquetas à prova de balas possuem 2kg a mais que uma jaqueta comum utilizada por motociclistas. Suas proteções balísticas cobrem as costas e o peito do usuário e a distribuição desses 2kg, segundo a fabricante, é feita de forma totalmente equilibrada para não prejudicar o conforto. Afinal, carregar mais 2kg somente na jaqueta já é um grande esforço para longas viagens, mas até onde vai a (in) segurança durante a pilotagem?

Mas... . De acordo com o Exército, este tipo de vestimenta balística só pode ser vendido ao público em geral se o interessado tiver mais de 21 anos, e com autorização prévia. A licença deve ser obtida na Secretaria de Segurança Pública de cada estado e é preciso apresentar atestado de antecedentes criminais e comprovar vínculo empregatício.

A Polícia Civil encaminha o registro ao Exército. Após a expedição da autorização, que leva de 20 a 30 dias, o comprador pode retirar o produto. São os mesmos requisitos exigidos para adquirir um colete à prova de bala.

A Tamtex salienta que o usuário deve sempre levar consigo a licença e é proibido emprestar as jaquetas a terceiros. Caso a pessoa seja abordada por autoridade com a vestimenta e sem a habilitação para uso da mesma, trata-se de crime inafiançável, diz a empresa.

Para adquirir seu colete ou jaqueta, serão necessários os seguintes documentos para que se possa realizar o registro do mesmo:

  • RG;

  • CPF;

  • Atestado de antecedentes criminais;

  • Comprovante de residência;

  • Prova de ocupação lícita remunerada;

  • Declaração de responsabilidade;


A empresa, que já produz coletes à prova de bala há 6 anos, diz ser a única a ter este tipo de jaqueta no Brasil e uma das únicas no mundo. Por ser um produto controlado, a Tamtex também precisou de autorização do Exército para produzir as jaquetas em Mauá (SP). Para vender a pessoa física, é necessária outra licença, então essa atividade é feita por outra empresa do grupo, a Irontex. Existem ainda parcerias com lojas de armas em São Paulo, onde as jaquetas também são vendidas.

Desde o lançamento no Brasil, há 1 ano e meio, foram comercializadas entre 150 e 200 jaquetas, diz a Tamtex. "Não é só pela violência, nossas jaquetas também protegem em caso de quedas da moto", explica Fábio Silvério, diretor comercial.